terça-feira, 14 de novembro de 2017

A peste negra na teologia

Resultado de imagem para remedio bibliaNo século 13, os judeus tiveram um número muito menor de gente morta pela peste negra que matou milhões. Uma das razões foi que os judeus criavam gatos, algo que parte grande da população não fazia, pois se associava a criação de gatos com se ser bruxo ou fazer bruxarias... A superstição mística e ignorante da população foi em certo nível responsável pela facilitação dos ratos pretos que transmitiam a peste através das pulgas, que assim alastraram com mais força.

E o que isto tem haver com a teologia dos dias de hoje?

Mesmo depois de centenas de anos, várias religiões, grupos cristãos e pessoas diversas, conservam crendices tolas, associações idióticas e pensamentos movidos por misticismos medievalescos e jurássicos. A ignorância também está presente na pseudo espiritualidade de quem se acha hoje detentor da chancela do evangelho; nas suas práticas se percebe a mesma tolice que acabou com tantos, por conta de uma cultura sem o mínimo de inteligência e racionalidade.

Ou alguém dúvida que idade média está ferozmente presente na idade da mídia? Ou não é nítido que isso não se dá apenas no neo-pentecostalismo, mas na falta de conhecimento de Jesus que permeia os "ortodoxialmentes" fariseus de nosso tempo?

Chegamos em um inacreditável momento onde por exemplo, o imenso amor de Deus é objeto de dúvida, discussão e embates. E pasmem: isso procede dos próprios "crentes". Misericórdia. O medievalismo está extremamente presente, como nunca, no Protestantismo e Evangelicalismo brasileiro. Mudou a embalagem, mas continua o mesmo sabor.

E só Jesus é o remédio!


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Sola Mento

Imagem relacionadaO QUE VOU FALAR AGORA, EU CORRO O RISCO DE SER INTERPRETADO DE FORMA ERRADA. MAS MESMO ASSIM VOU DIZER:

1. Não adianta só dizer "Solus Christus", se você faz de homens (mesmo os sinceros), mediador entre você e Deus, ou faz de tais infalíveis e canônicos;

2. Não adianta você dizer "Sola Scriptura", se você fizer inclusive da própria tradição da Reforma Protestante, uma "segunda vinda do evangelho"; e tais que assim fazem, geralmente nunca leram a bíblia toda, embora conheça as institutas por inteiro;

3. Não adianta você dizer "Sola Fide", se colocar na prática, a sua fé em si mesmo, dogmas ou em homens, e não totalmente em Cristo;

4. Não adianta dizer "Sola Gratia", se você mesmo não entendeu ainda o que significa "misericórdia quero e não holocaustos", e prega um euvangelho "hamurábico", cheio de ódio no ser;

5. Não adianta posar de piedoso e afirmar "Soli Deo Glória", se no dia-a-dia pisa nos outros, difama, engana, fere por palavras o próximo, e sofistica assim teus próprio sofismas. Quem crê que Deus é soberano, concede sempre a Ele razão.

O que adianta então ganhar a reforma inteira e perder a tua alma? Comemorei os 500 anos da reforma, mas "sola mento" pelo que estão transformando a reforma protestante. Graças a Deus pelos inúmeros reformadores, conhecidos ou não, que sempre se levantou na história, desde Gênesis, e assim será até o Apocalipse.



quinta-feira, 2 de novembro de 2017

500 anos da reforma e a história que não foi honrada devidamente nestes dias

Resultado de imagem para reformaCadê as menções sobre John Wycliffe, John Huss, Savonarola... E os Valdenses? E os demais que ao longo do tempo abriram tantos caminhos (inclusive os sem "grife")?  Deveríamos saber que simbolicamente, até pelo contexto macro da época, há 500 anos houve foi o início do fervor que consolidou algo que se inicia bem antes. Em 1517 houve a publicação das 95 teses (e de fato foi isso o que comemoramos nestes dias); a reforma é, porém, mais ampla e antiga. E é isto que me incomoda: quanta deturpação tenho lido recentemente.
Sim, pois até os chamados "pré-reformadores" não são devidamente honrados. Fizeram assim então da reforma uma marca de alguns. Lutero, por exemplo, é o grande expoente evidentemente. Mas não se pode esquecer o todo da história, jamais!
A reforma portanto é de todos que entendem o que é ser na história uma voz que não se cala. Ela não é calvinista (como cheguei a saber que alguns defendem isso), ou de qualquer grupo. Nem começou com um homem. Não é patenteada por A ou B. Nem é de quem se julga arminiano. A Reforma se deu na coletividade de dezenas de anos. Ela é singularmente plural, absolutamente não patenteada nem privatizada.
Aí fica simples de entender que a reforma não é canônica. E se tirar Jesus do seu cerne e fazer dela como alguns estão fazendo, uma espécie segunda vinda do evangelho, correremos o risco de a transformar naquilo que ela mesmo não teve pretensão de ser.
E louvado seja Deus por Lutero e todos os reformadores de Deus!
Graças pelos inúmeros reformistas, conhecidos ou não, que sempre se levantou na história. Ou será que arrogantemente há quem ache que não há mais nenhum nos dias de hoje? Afinal: “Ecclesia Reformata et Semper Reformanda est”; a reforma deve ser mais de que um modelo engessado, mas primariamente um entendimento amplo, subordinado sempre ao evangelho.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Alguns dos principais erros nos cultos contemporâneos

SEGUE ABAIXO, UMA PARTE (RESUMO) DO ESBOÇO DE MINHA PALESTRA MAIS RECENTE SOBRE ESTE ASSUNTO.

Resultado de imagem para cultoObservação inicial sobre a palestra:

1. Abordarei apenas os três principais erros, no sentido daqueles que dentre tantos outros, são por vezes latentes no evangelicalismo brasileiro;
2. Tratarei especificamente da questão do culto público.

TEXTO BASE: SALMOS 100 (Todos os cânticos de degraus ou de peregrinação, até pelo seu contexto amplo, nos fornece muita luz sobre a questão das motivações para o culto a Deus).


TRATANDO AS PROBLEMÁTICAS

O culto público que um crente oferece a Deus, deve ser bíblico e sincero: tem como objetivo máximo honrar a Deus devidamente. Nos dias de hoje, plurais equívocos têm acontecido. Destaco alguns de tantos, os principais, que massivamente atrapalham a ideia de real adoração, subtraem a edificação do corpo de Cristo e relativizam o ensino e pregação e comunhão dos crentes.

1. O CULTO TEM SIDO ANTROPOCÊNTRICO AO INVÉS DE CRISTOCÊNTRICO.

Alguns cultos viraram reuniões de negócios, shows mundanos, politicagens, mero entretenimento e reuniões terapêuticas. Com isto não quero dizer por exemplo, que na comunidade eclesiástica não haja espaço para o entretenimento coletivo (mas tudo tem seu lugar, hora e contexto). Qual o propósito do culto? Precisamos averiguar isto de acordo com a Palavra.

JESUS É O CENTRO DO CULTO. UM CULTO NÃO CRISTOCÊNTRICO, MAS QUE COLOCA O HOMEM EM UMA POSIÇÃO INDEVIDA, JAMAIS SERÁ UM CULTO CRISTÃO. Cristo é o cabeça, e abaixo da cabeça tudo é corpo. Uma expressão de Paulo é também pertinente aplicando nisto: “Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus” (I Coríntios 1:22-24). O contexto deste texto é fantástico sobre esta questão.

2. CULTOS POLISSÊMICOS E SEM PROPÓSITOS SINCEROS TEM SIDO UMA MARCA ATUAL.

Tais cultos não tem um sentido biblicamente definido; não possuem seu propósito alicerçado nas Escrituras. Tais são sem ordem e decência (leia I Coríntios 14). Isto tem sido claro tanto no circo da teologia disneylândica neo-pentecostal, quanto também em certas “ortodoxias” que cultuam a si mesmo, secularizam o agir do Espirito, achando-se de uma ordem superior por meramente fazer parte de uma igreja histórica.

3. CULTOS RECHEADOS DE IDOLATRIA

Muitos estão transformando púlpito em palcos artísticos e lugar de shows. O fato é que se não temos “imagens de escultura”, mas como nunca há os ídolos do coração, como é revelado em Ezequiel 14. Tal idolatria leva a uma espécie de egolatria também.

Conclusão

É necessário um retorno a um culto cristocêntrico, com o propósito definido na Palavra (sincero), sem idolatrismo. Medite nos textos: Hebreus 10:25; Mateus 18:20; Salmos 122:1; I Coríntios 14:26,39-40; I Timóteo 2:1-6; Efésios 5:18-20. Nós batistas (ao menos deveria ser assim), historicamente entendemos que o culto cristão consiste na maneira certa e correta de se honrar a Deus. É assim ele insofismável. Ele deve  assim espiritual (não confundir com certos misticismos correntes, de cunho sofismavelmente espiritualista).


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Estarei palestrando nesse grande evento


Permitindo Deus estaremos palestrando no dia 03/11, às 20h.
Evento da nossa convenção.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

A beleza da vida, refletida no viver

A vida sem certas "asperezas" e com a sabedoria da graça, é sempre pura, repleta de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sem hipocrisia. Cabe a nós discernir ela com essa leveza necessária. Um vídeo como esse abaixo é também a bíblia bradando e nos falando o quanto Deus é amor nas mais singelas expressões e momentos do viver. Só não enxerga isso quem não vive cheio desta graça. Lindo vídeo: assista!



quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Teologia e Física Quântica - II

Resultado de imagem para fisica quanticaQuânticamente expondo, o ponto de ignição que leva ao "X" da questão dos múltiplos conhecimentos provenientes da física quântica no que é concernente e urgente para a teologia, não vem com o intuito a priori nem a posteriori, de explicar sistematicamente as Escrituras, nem apenas de criar uma "nova hermenêutica"; ou mesmo ser uma "muleta funcional" para tal. Esta vem prioritariamente para ajudar na macro compreensão insofismável da Palavra e em alguns momentos até chancelar de forma palpável o que as Escrituras já mostram.

Por exemplo, se os conhecimentos que temos hoje (falando só do que já está comprovado) estivessem no entendimento dos que foram sérios e honestos pais da Igreja, muitas discussões teriam ido em outra direção; e teria outro rumo muitas tentativas de explicar o que jamais se entenderá se houver a reducionista e simplista compreensão linear de tempo e espaço, algo já vencido pelas elucidações recentes provenientes da mecânica quântica. Inclusive até equívocos históricos caem por terra com o que a física quântica comprova hoje.

Agora, a fé não é assim meramente interpretada pela física quântica, mas a física quântica está a serviço da fé de forma intrinseca. Na prática, ela dará o sentido pleno do que é ou não factual. Por isso inevitavelmente vai crescentemente nos próximos anos interagir sim com a filosofia, biologia, psicologia, teologia, etc.

A física quântica está então a serviço da teologia amplamente, apesar de ser independente em alguns aspectos de seu modus operandis e status quo. No entanto, estranhamente sua independência se constitui justamente por sua dependência amistosa, inclusive com a teologia. E tenho dito: se não avançarmos logo na teologia com respostas responsáveis e plurais disto e nisto, estaremos sendo mais frente em termos acadêmicos tão ridicularizados, que palavras não podem descrever hoje como será.